This snapshot, taken on
03/10/2014
, shows web content acquired for preservation by The National Archives. External links, forms and search may not work in archived websites and contact details are likely to be out of date.
 
 
The UK Government Web Archive does not use cookies but some may be left in your browser from archived websites.

Mais um tijolo – A cada dia construímos mais um pedaço da estrada de tijolos amarelos da igualdade

This post is also available in: Portuguese (Brazil)

O seguinte texto foi escrito por Julio Cardia sobre o dia internacional anti-homofobia, a convite do Embaixador do Reino Unido no Brasil, Alan Charlton. 

Há 13 anos não pensávamos que seria possível ter o reconhecimento de casamentos de pessoas do mesmo sexo. Podia-se pensar nisso, mas talvez não fosse algo a ser falado abertamente. Em 2000, ainda tínhamos as torres gêmeas, havíamos acabado de vencer o bug do milênio e este que aqui escreve ainda tinha seus desejos e sonhos escondidos dentro do armário.

As mudanças que a primeira década do século XXI viriam a trazer para o mundo não demoraram aparecer. Em 2001, outras torres também foram derrubadas: as do preconceito. A Holanda, já como membro da União Européia, deu um grande passo na diminuição da discriminação de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (LGBT). Doze anos separam a aprovação do casamento gay nos Países Baixos da recente aprovação no Brasil, e, desde então, 15 são as nações nas quais a união homossexual é uma realidade possível para sua população, sendo o Reino Unido uma delas.

De lá pra cá vimos vários protestos contra o casamento entre pessoas do mesmo sexo em várias partes do mundo. América do Sul e Europa tomaram a dianteira na aprovação dos direitos para essa população, que havia sido deixada à margem durante toda a idade moderna. Contudo, nem todos os países considerados “friendly” conseguiram avançar – são visíveis os esforços do Reino Unido na busca de um consenso que atenda a essa demanda. No Brasil, continuamos a encontrar problemas relacionados ao preconceito, já que mudanças culturais demandam tempo e educação.

Programas que buscam criar uma sociedade mais igualitária, como os realizados pelo Reino Unido, são a base de um processo e devem nortear políticas públicas. É extremamente importante se sentir protegido por sua nação, e o caminho natural dessas políticas segue ao encontro de uma garantia gradual de direitos, que, mais uma vez, passo a passo, se encontrem com essa nova sociedade.  Paralelo a isso, no Brasil é importante ter mais engajamento sobre os diretos LGBT e o preconceito sofrido por essa sociedade. Esclarecer a população é tão importante quanto ter garantias jurídicas.

Na estrada entre o Reino Unido e o Brasil, ainda é possível encontrar muitos pedaços sem tijolos. O caminho está lá, o norte é visível, tanto para aqueles que querem e como para aqueles que não querem ver. A sociedade britânica inspira não só a derrubada do preconceito, mas a superação de desafios, como aqueles enfrentados pelos atletas olímpicos, que em breve visitarão o Brasil.

São muitos os elementos que compõem essa teia, essa rede de relações, no qual é necessário enxergar que os desafios existem para serem superados. Esses desafios nos fazem mais fortes e nos ajudam a progredir, caminhando sempre no sentido de deixarmos um mundo melhor para aqueles que virão. Assim, passo a passo, tijolo a tijolo, construímos uma estrada de direitos na qual todos e todas podem caminhar.

Julio Cardia – Ex-presidente do Estruturação – Grupo LGBT de Brasília que desde 1994 atua na melhoria da qualidade de vida de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais do DF. O Estruturação é membro-fundador da Associação Brasileira de Gays, Lésbicas e Travestis (ABGLT) e filiado à International Gay and Lesbian Association (ILGA).

Leave a Comment